Os autores deste jornal virtual cumprimentam todos os que passam os olhos pelos assuntos destas páginas.
Quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2006
Em 2006 comemoram-se 100 anos de nascimento de Agostinho da Silva
agostinhodasilva.jpg
Meu caro Guilherme, ainda sobre a aquela reflexão: Professor...
Lembrei-me de partilhar alguns sítios interessantes.
http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/opombo/agsilva/apresentacao.htm
http://www.agostinhodasilva.pt/
Aquele abraço do Francisco.




Publicado por caminheiro1 às 00:23
link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2006
Reflexão
Jornal PÚBLICO de 20 de Fevereiro de 2006
"Comissão Europeia considera "insuficiente" correcção do défice.
Os resultados do processo de consolidação orçamental poderão ser menos favoráveis do que o previsto no programa de estabilidade português, o que obrigará o governo a adoptar novas"medidas substanciais de correcção" do défice a partir de 2007."
É fácil adivinhar que vão ser os 750.000 funcionários públicos que vão suportar as "medidas substanciais de correcção". E talvez sejam ainda apanhados pela mesma necessidade os aposentados e os pensionistas. Pois...
- Ó Professor Agostinho da Silva, faça o favor de repetir as suas palavras para que alguém as ouça e as faça cumprir :
« - Não é Portugal que deve nada à Europa mas sim o contrário!»


Publicado por caminheiro1 às 14:10
link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

Sexta-feira, 17 de Fevereiro de 2006
Eu acho que os professores têm uma palavra a dizer.
Limito-me a transcrever e a aguardar a reacção das e dos colegas. É que pode não haver tolerãncia para «cartoons» mas ainda há para a prosa que reflecte opiniões. Beijos e abraços do vosso Francisco.
"Declaração após visitar escola particular
Ministra da Educação: ensino público está "muito longe" das famílias e alunos
17.02.2006 - 18h52 Lusa
A ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, visitou hoje uma instituição particular de "referência" em Vila Franca de Xira e no final lamentou que o ensino público português esteja "muito longe" das necessidades das famílias e alunos.
Depois de visitar o moderno estabelecimento escolar da Quinta dos Bacelos, numa freguesia rural de Vila Franca de Xira, a ministra afirmou que, "nos últimos anos, a escola pública foi encolhendo tanto que cumpre apenas os mínimos e está muito longe do que é essencial", referindo-se ao défice no apoio à família e no cumprimento dos programas escolares.
Em Portugal, criou-se o hábito de as crianças frequentarem a "escola pública de manhã e a escola privada à tarde", um processo que, segundo Maria de Lurdes Rodrigues, "começa no infantário, com os 'ateliers' de tempos livres, e vai até ao secundário, onde os alunos que querem entrar para a universidade têm aulas de manhã e explicações à tarde".
Para a governante, as críticas ao programa das aulas de substituição e ao alargamento do horário são "sintomas das dificuldades da escola em responder enquanto instituição organizada".
Depois de visitar a creche, jardim infantil e pré-escolar da Quinta dos Bacelos, a ministra da Educação disse ainda que em Portugal "as boas respostas partem de iniciativas de grupos de pais e das autarquias".
"É uma instituição de excelência onde a tranquilidade e a qualidade é evidente. O trabalho da ABEI [Associação para o Bem-Estar Infantil] deve ser uma referência a nível nacional", afirmou Alberto Mesquita, vice-presidente da autarquia de Vila Franca de Xira.


Publicado por caminheiro1 às 22:02
link do artigo | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
|

Terça-feira, 14 de Fevereiro de 2006
Ritual do namoro/alimentação
A propósito deste dia tão especial para muitos, triste para outros (os que não têm com quem o partilhar) e indiferente para os restantes, passo a transcrever um pequeno texto para todos aqueles que se queiram debruçar sobre ele. Questionem-se, comentem…sobretudo divirtam-se como eu habitualmente faço quando consumo literatura.

MARMELADA.
O gosto pela marmelada é ainda o mais fácil de concretizar. A marmelada é doce, sabe muito bem, mas de modo nenhum enche ou satisfaz. Quando se abusa da marmelada, é mais que sabido que, em vez de entreter a gulodice, acaba por enjoar. Ficar-se pela marmelada produz a sensação esquisita de quem tenta matar a fome com chocolate: deixa um muito açucarado vazio a moer no fundo do estômago. A marmelada, como o chocolate, é um prazer que tende a diminuir com o avançar da idade. É uma sobremesa a fingir de conduto, um petisco que abre o apetite sem o saber fechar, um antipasto que se trinca à porta trancada da casa de pasto.
Este parágrafo que penosamente se acabou de ler é, para um português, convenhamos, bastante ordinário. As ressonâncias que estalam à volta da palavra «marmelada» são, aliás, típicas da nossa cultura. Por isso, em vez de nos pormos a distinguir a marmelada fina da grossa, ou a fazer o levantamento das formas modernas da marmelada – nomeadamente, a marmuça, o marmeladarme e o enigmático marmex – detenhamo-nos numa consideração mais ampla e importante. A saber: porque é que os portugueses associam tanto o sexo à alimentação?
As áreas da fruta e do peixe são particularmente ricas e semanticamente nutritivas. Os tomates, por exemplo, nunca foram pacíficos. Os próprios marmelos têm, como se sabe, que se lhes diga. Ao dizer de dada entidade que «é um pêssego», a referência não é necessariamente ao fruto do pessegueiro. Só na nossa língua, por exemplo, faz sentido dizer que Yull Brynner é um pêssego careca. E não se julgue que estes investimentos significativos se limitam à fruta (a própria fruta e o seu sinónimo chicha, como colectivos, são problemáticas). A bem ver, nem a hortaliça se encontra isenta, alastrando-se o «innuendo» por todo o espectro vegetal, desde o nabo até ao grelo.
Diz-se de pessoas atraentes que são «boas como o milho». Basta traduzir para francês ou inglês para perceber que o «elogio» tem uma circunscrição estritamente local. Nas outras culturas, «o milho» não é, simplesmente, tão bom como isso. Caso se dissesse «you’re as good as corn» a uma íntima inglesa, é provável que se levasse uma merecidíssima chapada.
Outra coisa irritante que se faz muito em Portugal é chamar «figos» às pessoas e esperar que as pessoas se sintam envaidecidas com isso. Os portugueses dizem de determinados compatriotas «chamava-lhe um figo», como se «um figo», que é um fruto muito pouco atraente, fosse uma coisa fabulosa para estar assim a chamar às pessoas.
Seja milho ou seja figo, a lição é clara: o povo português tem um tal amor À alimentação, sacralizando tanto aquilo que come, que sobrevaloriza certos alimentos, ao ponto de os confundir com objectos de paixão bastante mais elevados, como sejam, a titulo de exemplo, as pessoas.
O que acontece com a fruta – repare-se na proliferação de anedotas que provocou a recente importação (embargada) de bananas – repete-se, com maior gravidade, naquele outro género alimentício que é o peixe.
É de tal escala o fenómeno, que são poucas as espécies que escapam à rede de profanas metaforizações. São os ditados que associam (porquê, Santo Deus?) a sardinha à mulher, sendo característico da nossa cultura popular que tanto faça dizer «da maior» ou «da mais pequena que houver». (…) Olha-se para a tabelade preços de uma peixaria e cada peixe traz, por assim dizer, água no bico – linguado, berbigão, lula, tainha… E, falando em bicos, repara-se que nem os passarinhos escaparam. Que outro povo tem por galanteio chamar «pombo implume e incapaz de voar» a um indivíduo que seja considerado sexualmente desejável? (A um destes pombos inviáveis se chama, em português, borracho.)
Só em português é que quase todos os nomes de frutos ou de peixe são, por si só e por contexto, potenciais obscenidades. Mesmo aquelas palavras que ainda não foram investidas de conotações sexuais mostram já uma promessa da mais ordinária lascividade. Ou não se imaginam facilmente como palavrões um chicharro ou um cachucho, uns morangos ou uns melões? (…)
Seria «trigo limpo» continuar esta exposição pela linha das carnes (com realce para a carne de porco e seus derivados), detendo-nos na perplexidade sociológica que provocam expressões como «abafar a costeleta». (…) As conotações sexuais que há muito se deram a estas singelas palavras fariam com que um Marciano, ao ouvir falar dois portugueses acerca de uma recente conquista, julgasse a nação portuguesa como um povo não só orgulhosamente só como orgulhosamente canibal. (…) A verdade é que este curioso «interface» entre o sexo e a alimentação talvez se deva à falta generalizada de ambas as coisas, juntando-as assim num espaço semântico em que se partilha a ganância comum de usufruí-las um pouco mais. Ou, por outras palavras: esta marmelada semântica, esta confusão toda que fazemos, deve-se fundamentalmente, a um excesso de marmelada, e logo à escassez do que a marmelada, baratinha e coitadinha, procura, à sua maneira, substituir.

Miguel Esteves Cardoso, A CAUSA DAS COISAS



Publicado por caminheiro1 às 12:30
link do artigo | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
|

Segunda-feira, 13 de Fevereiro de 2006
Finalmente consegui!!!
Diz -se por aí que " água mole em pedra dura tanto bate até que fura! ", e depois de muito tentar ( muito suor e lágrimas derramadas... lol) aqui estou eu, a escrever o meu primeiro artigo!
Pensei em elaborar qualquer coisa de especial, mas há cerca de dez minutos atrás, alguém me disse que o que é necessário é escrever e nada mais! Mas hoje a disposição não convida a passar para palavras aquilo que realmente todos gostariam de ler, por isso vou ficar por aqui!!! Continuarei .....


Publicado por caminheiro1 às 21:59
link do artigo | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
|

Então, ninguém diz nada?
aluno01.gif
Eu bem venho aqui espreitar, a este nosso espaço, na esperança de ver novidades, mas...Nada! O que eu posso continuar a fazer é incentivar e motivar as minhas e os meus colegas para usarem e abusarem disto. Beijos e abraços do Francisco.


Publicado por caminheiro1 às 14:40
link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

Sexta-feira, 10 de Fevereiro de 2006
Caríssimas colegas co-autoras :
Pronto! Jão têm privilégios de edição as colegas Inês, Regina e Tânia. Nos homens, mantêm-se o Guilherme e o Francisco. Então, como sabem, agora basta aceder a www.sapo.pt , escrever a password quando aparecer EDITAR BLOG e aparecerá o menu da edição do nosso blog para poderem escrever artigos com e sem imagem e poderem convidar outros colegas. Vamos lá deitar mãos ao trabalho. Beijos e abraços do Francisco.
computador36.gif


Publicado por caminheiro1 às 23:20
link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

Quarta-feira, 8 de Fevereiro de 2006
"A ponte é uma passagem, p'rá outra margem"
"Eu tenho um sonho." (Martin Luther King) O meu sonho era que este espaço fosse a ponte a unir todos aqueles profissionais que ao longo dos anos alimentaram cumplicidades, geraram afinidades e aprofundaram amizades. Pode ser que... "I know I'm a dreamer but I'm not the only one." (John Lennon). Beijos e abraços do Francisco.
arrabp.baixo.jpg


Publicado por caminheiro1 às 23:14
link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

P1
Professor… Estranha palavra.

Nunca folhei nenhum dicionário ou enciclopédia com um significado suficientemente satisfatório. Até porque nem eu próprio sei muito bem o que procuro. Tenho uma vaga ideia… Mas acho que estou perto. Quase todos os dias junto mais uma pecinha…

Não sei qual a técnica utilizam – se é que a têm – mas, pessoalmente, gosto de montar puzzles em cima da maior mesa que tiver em casa. Afasto a fruteira para um canto, passa o napron, arrumado à pressa, para cima da salada de laranjas, maças e peras ainda por descascar, e estou pronto para a rotina deliciosamente rotineira. Mais um dia, mais uma peça.

Porém, de quando a quando, há sempre alguém – quantas vezes, eu próprio – que tropeça numa perna deste quadrúpede polido e envernizado. Tudo estremece, sai do lugar, se mistura, se bagunça… Tantos elos que se perdem. Felizmente, nem todos.

No entanto, depois de uma forte tempestade, neste caso a nível apartamental, se repararem bem, há sempre pelo menos uma peça que se modifica. Alarga, rasga, encolhe… desaparece… Afinal enganei-me. Todas a ligações foram afectadas. E podemos considerar-nos sortudos se precisarmos apenas de uns apertões para nos adaptarmos à nova realidade, ou, para os que acreditam nessas coisas do destino, ao que estava predestinado desde o início.

Ontem, alguém partiu uma unha do pé contra a minha mesa…

(continua uma noite destas…)


Publicado por caminheiro1 às 01:11
link do artigo | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
|

Sexta-feira, 3 de Fevereiro de 2006
Introdução
E para começar, que tal o novo cartão de visita da «Invicta, Mui Nobre e Sempre Leal Cidade do Porto» ? Eu tenho muito orgulho em ter esta casa na minha cidade. Bairrismo? De qualquer maneira, estão abertas as hostilidades. Vamos lá transformar este espaço no nosso espaço. Beijos e abraços do Francisco. casamusica2.jpg


Publicado por caminheiro1 às 00:33
link do artigo | Comentar | Ver comentários (3) | Adicionar aos favoritos
|

Este blog é dos autores que já aderiram, a saber:
Pesquisar neste blog
 
Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25

26
27
28
29


Artigos recentes

Passeios pelo Porto

1.º dia mundial da rádio

Quo vadis Portugal?

Guimarães, capital europe...

Pelo Jornal de Notícias

Quo vadis Portugal?

41.º encontro do curso

Finanças

Portugal, aos poucos, vai...

Cimeira

Passeio JN/FNAC de 27 de ...

Homenagem ao fado

Lançamento de livro

São Martinho

Entrega de prémios

Passeios pelo Porto

PPP = Parcerias Público P...

Estou revoltado.

Por favor, comentem.

Orgulho-me de ser paranhe...

Proclamação da República ...

Passeio JN/FNAC de 25 de ...

Quo vadis Portugal?

Passeios pelo Porto

Dia 24 de agosto

Violência em Londres

A cidade do Porto

O dia-a-dia

Efeméride

Dia da Amizade

Conhecer melhor a cidade ...

Conhecer melhor a cidade ...

Onde chegaste tu, Portuga...

Deprimente

Quem nos governou

Dia da mãe

Dia da Terra

Passeios pelo Porto

Tributo a Yuri Gagarin

Passeios pelo Porto

Rosa Albardeira - Baile P...

Passeios pelo Porto

Passeios pelo Porto

Dúvida

Dia do Pai

Homenagem

Passeios pelo Porto

Passeios pelo Porto

Desafio

A barragem do Tua

Arquivos

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Marcadores

1.º dia da rádio

24 de agosto

25 de abril

41.º encontro

5 de outubro

a "arma"

a escola já não é a mesma

A não perder

abril 2006

álcool

aliados

alimentação

almoço de 2005

aniversário

aniversários

antonio barreto

apelo

autores portugueses

avc

bibliotecas

boas vindas

bruxelas

capital cultura 2012

carnaval

cascatas

cidade

cinema

comboios

como participar no blog

comunicados

concurso fotografia

conhecer a cidade

consumidor

contrastes

conversas

crítica

Crítica

crónica de domingo

crónicas

cultura

debates

deprimente

desabafos

desafio

desafios e enigmas

desporto

destaques

dia da água

dia da amizade

dia da música

dia da poesia

dia do café

dia do consumidor

dia do não fumador

dia do pai

dia dos namorados

dia internacional da mulher

dia-a-dia

distinções

educação

Efeméride

efemérides

Efemérides

eleições

encontro 2007

encontro 2008

enganada

entrevistas

erros

espaço de pensamentos

estado de espírito

estou revoltado

europa

fado

feiras rurais

férias

Férias

finanças

fiscalidade

futebol

germano silva

guimaraes

lamentos

lembranças

lendo

livros

música

natal 2008

natal 2009

o porto a pé

passeios

porto

quo vadis portugal

quotidiano

república

são joão

são martinho

Subterrâneos

viagens

visitas guiadas

todas as tags

Ligações úteis
Participar

participe neste blog

mais comentados
Número de visitas
Site Counter
Bpath Counter
blogs SAPO
subscrever feeds