Os autores deste jornal virtual cumprimentam todos os que passam os olhos pelos assuntos destas páginas.

Quinta-feira, 5 de Julho de 2007
Cascatas sanjoaninas de 2007

É no dia 21 de Junho de cada ano que os raios de Sol atingem o Hemisfério Norte de uma forma mais intensa, prolongando o dia e adiando a noite. Chama-se o solstício de Verão. Os corpos e os espíritos estão ao rubro. Festeja-se o amor e pede-se um futuro risonho. É um dia em que todos os sonhos são possíveis. Apesar de apenas recentemente o Homem ter tido hipótese de confirmar este fenómeno astronómico, desde sempre o sentiu ou pressentiu. Um antigo ritual pagão celebrava, precisamente nesta época, o Sol. Os romanos adoptaram-no e era Vesta, a deusa do Fogo, quem recebia os sacrifícios dos animais, danças e cantares já um pouco transformados mas, sem dúvida, relacionados. A religião cristã apropriou-se do clima de festa e regeneração e determinou lembrar S. João Baptista no dia 24 de Junho, que terá nascido precisamente nesse dia e foi introdutor do rito do baptismo, símbolo da renovação na Fé. Há, assim ao longo de quase toda a existência da Hunanidade, energias de tal forma poderosas e canalizadas para esta data, que é quase impossível resistir-lhes – e poucos são os que o querem.

O cronista Fernão Lopes, na Crónica de D. João I do século XV, já fazia referência à celebração do S. João no Porto. No entanto, foi só depois de instaurada a República que o dia 24 de Junho se tornou no feriado municipal. Depois de realizado um referendo pelo Jornal de Notícias, para saber a vontade dos cidadãos, e publicados os resultados a 4 de Fevereiro de 1911, ficou decidido: o 24 de Junho passava a dia oficial de absoluta folia com 6565 votos contra 3075 para o 1.º de Maio. Pouco tempo antes, no século XIX, tinham surgido as primeiras cascatas sanjoaninas. De acordo com o historiador Hélder Pacheco, no seu livro Porto, O Livro de S.João, estas começaram por ser uma reinterpretação dos presépios, em que a sagrada família e oa reis magos eram substituídos pelos santos populares. A tradição fez com que se tornassem os ícones da festa. A estes juntaram-se os alhos-porros, feitos martelos, os manjericos e as grandes e luminosas fogueiras, acesas na chamada Noite Maior, de 23 para 24 de Junho. A tradição popular assegura que, quem saltar a fogueira nesta noite, em número ímpar de saltos, está protegido contra todos os males durante um ano inteiro. Para que a receita não caia em estômago vazio, comem-se também as sardinhas ou as fêveras, o caldo verde e o bolo de S.João, com frutas cristalizadas, nozes, amêndoas, licor, rum, conhaque e leite, segundo a receita oficial apadrinhada pelos especialistas Hélder Pacheco e Hélio Loureiro. A festa começou por ser mais vivida no centro histórico, mas hoje espalha-se por toda a cidade. E, se cá em baixo não se dança, basta levantar os olhos para saber de que festa se trata: os balões de papel, impulsionados pelo ar quente e que se elevam no ar, enchem o céu de mil cores. Não há canto da Invicta que não lembre que é dia de animação, já que as rusgas se espalham tão rapidamente quanto o rastilho do fogo de artifício que ilumina esta noite.

A manhã de 24, a do feriado, pode não começar cedo mas inicia-se em grande com a Regata dos Barcos Rabelo, que junta os funcionários das variadas caves de vinhos do Douro, e que faz o percurso da Foz à Ribeira. Não há vencedores nem vencidos, apenas a certeza de um dia bem passado. Mas para quem deseja manter a saúde, aconselha-se um mergulho, acompanhado pelo nascer do sol, nas praias do Douro. Diz-se que a água neste dia purifica e um só banho naquelas zonas vale por nove. A água tem, aliás, um importante valor simbólico, pois estabelece a ligação directa entre o Santo e o Novo Testamento, já que foi no leito de um rio, o Jordão, que Jesus foi baptizado por São João Baptista. Talvez por isso,ainda hoje subsistam determinados hábitos que fazem a ponte entre esta simbologia e os costumes pagãos. Como aqueles que determinam que as jovens que desejam casar coloquem numa taça com água um conjunto de papéis dobrados onde estarão inscritos os nomes dos pretendentes. Deixada ao relento, a taça apanhará o orvalho da noite e fará com que um dos papéis se apresente mais aberto, deixando perceber o nome daquele que irá ganhar o seu coração. É assim, no S. João.

Fonte : Igreja e Torre dos Clérigos #19#, O País das Maravilhas, Produto Oficial, 7 Maravilhas de Portugal, 07.07.2007, Lisboa, Tugaland Edições.

E para que as possam partilhar comigo, aqui estão elas. Saudações festivas do Francisco.

Cascatas sanjoaninas de 2007


Sinto-me: Bem
Música: 'Fado do encontro' TIM, MARISA e MÁRIO LAGINHA
Marcadores:

Publicado por caminheiro1 às 00:50
link do artigo | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
|

Este blog é dos autores que já aderiram, a saber:
Pesquisar neste blog
 
Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25

26
27
28
29


Artigos recentes

Cascatas sanjoaninas de 2...

Arquivos

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Marcadores

1.º dia da rádio

24 de agosto

25 de abril

41.º encontro

5 de outubro

a "arma"

a escola já não é a mesma

A não perder

abril 2006

álcool

aliados

alimentação

almoço de 2005

aniversário

aniversários

antonio barreto

apelo

autores portugueses

avc

bibliotecas

boas vindas

bruxelas

capital cultura 2012

carnaval

cascatas

cidade

cinema

comboios

como participar no blog

comunicados

concurso fotografia

conhecer a cidade

consumidor

contrastes

conversas

crítica

Crítica

crónica de domingo

crónicas

cultura

debates

deprimente

desabafos

desafio

desafios e enigmas

desporto

destaques

dia da água

dia da amizade

dia da música

dia da poesia

dia do café

dia do consumidor

dia do não fumador

dia do pai

dia dos namorados

dia internacional da mulher

dia-a-dia

distinções

educação

Efeméride

efemérides

Efemérides

eleições

encontro 2007

encontro 2008

enganada

entrevistas

erros

espaço de pensamentos

estado de espírito

estou revoltado

europa

fado

feiras rurais

férias

Férias

finanças

fiscalidade

futebol

germano silva

guimaraes

lamentos

lembranças

lendo

livros

música

natal 2008

natal 2009

o porto a pé

passeios

porto

quo vadis portugal

quotidiano

república

são joão

são martinho

Subterrâneos

viagens

visitas guiadas

todas as tags

Ligações úteis
Participar

participe neste blog

mais comentados
Número de visitas
Site Counter
Bpath Counter
blogs SAPO
subscrever feeds