Os autores deste jornal virtual cumprimentam todos os que passam os olhos pelos assuntos destas páginas.
Quarta-feira, 27 de Junho de 2007
Pela ruralidade

O Sr. Bateira lavrador e proprietário de meia idade era um braço de ferro e desde sempre os trabalhos agrícolas não tinham para ele segredo. Tinha ido para o Brasil onde não fez fortuna mas ganhou uns trocados e comprou umas terras quando regressou de lá no Vapor. Tinha caseiros para o amanho das propriedades, na condição do chão ser a meias e o ar de terço, (entenda-se “chão” por terra lavradia; “ar” era o rendimento de árvores que estavam nas bordaduras dos campos: videiras, oliveiras e outras árvores de fruto tais como macieiras, pereiras, cerejeiras etc.). Era um homem de cerne que não tinha palha na cama. Mal o galo dava os primeiros acordes, zás, fora da enxerga, mesmo em dias de codo. Era um monteiro de todos os costados.
Tinha combinado com o seu caseiro Gaspar, no dia anterior, fazer uma roçada para o monte do Grou. Mal o relógio do campanário bateu as três da matina, hei-los a caminho da tapada, ao luar, que ainda ficava distante. Enxadas roçadoiras às costas, socos ferrados a tachotes com chapa protectora na biqueira, calças de cotim coçadas, as de Gaspar com testeiras, palhoças e polainas de junco, um taleigo remendado onde levavam o almeiro basicamente constituído por broa e dois ossos de porco com carne (mais osso do que carne) e uma pitada de cachaça brava que até fazia saltar as órbitas! Pelo sim, pelo não, o Sr. Bateira, homem experiente, tinha olhado para o céu e notado uma pequena nuvem cinzenta que podia descambar em chuva e então fez-se acompanhar do guarda-chuva de 12 varas que o guarda-soleiro tinha consertado na semana passada quando passou lá pela aldeia.
O mato arnal, outro gatanho, algumas giestas e codessos também, tudo roçado com a força braçal e conjugada na mestria de dois profissionais que tinham o serviço devidamente sincronizado. A mulher do caseiro e o filho tinham aposto o gado (a Cabana e a Ramalha também madrugaram) e chegaram ali, conforme o combinado, com o “carro das vacas” ao amanhecer! Mato cortado e devidamente acamado em paveias, eram dois a carregar com os forcados, e o moço de chancas para melhor pisar o mato, em cima do carro com o engaço a colocar a carga bem distribuída no chadeiro entre os estadulhos, enquanto a mulher à frente das vacas devidamente protegidas com os barbilhos para estarem sossegadas. Bem amarrado com a comprida corda que enlaçava nos tornos por baixo das chedas, lá vão até à aldeia, Gaspar à soga, por caminhos travessos e estreitos numa sonora chiadeira que saía das cantadoiras e dos cocões denunciando a carrada. Descarregaram no quinteiro, as vacas foram desapostas e metidas na corte onde tinham um braçado de pendão na manjedoura e alguma ferrã. O pessoal foi merecidamente meter pró papo umas buchas acompanhadas com uma infusa de carrascão que a mulher do Sr. Bateira tinha preparado;. A manhã já ia avançada, e a satisfação de terem ali o mato para a cama do gado e sobretudo para o fabrico do estrume para a terra, fonte de riqueza, estava estampada nas conversas entrecruzadas que saíam em catadupa só interrompidas alternadamente quando a infusa ia às goelas destes naturalistas. Ao lado o podengo também rilhava umas ossadas recozidas que lhe tinham posto num covilhete. Ele afinal também tinha ido para o monte, era como se fosse mais um da família!...

“Por mares nunca de antes navegados” dizia o Camões nos Lusíadas no primeiro canto.
Esta minha crónica, com um fundo real, pode também dizer-se que aconteceu “por terras antes navegadas (trabalhadas)”, pois tudo isto na nossa geração passou à história num ápice!

Fiquem bem, antonio


Marcadores:

Publicado por antonioduvidas às 08:40
link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos

5 comentários:
De Franc a 28 de Junho de 2007 às 00:13
Ufffffff......Acabei de ler. É tanta a informação aqui postada que vai ser preciso ler de novo e, mesmo assim... Boa malha, meu. Grande contribuição para o enriquecimento do meu vocabulário. Muito obrigado. E nesta altura de finais de Junho, lendo estas tuas palavras, a minha memória foi espevitada e os meus sentidos foram buscar ao baú umas recordações que ainda estão relacionadas com Arouca e que publicarei em breve. Aquele abraço do Francisco.


De Maria da Graça a 28 de Junho de 2007 às 01:02
António

É mesmo isto: SABER ESCREVER...Dá prazer ler artigos como este. PARABÉNS
Dentro da minha humilde cultura, é como se estivesse a ler Miguel Torga ou Júlio Dinis etc.
Para mim, é como se tratasse de uma página de uma obra literária. E a riqueza de vocabulário, totalmente desconhecido para mim!
Basta dizer: CONTINUA a deliciar-nos.

Saudações campestres de
Maria da Graça


De antonioduvidas a 1 de Julho de 2007 às 00:22
Eh Mª da Graça, por favor sejamos mais terra a terra!
Fico desorientado com os teus elogios!...

(antonio)


De trocapalavras a 28 de Junho de 2007 às 11:14
António, li, li e tive de reler, (mas só me fez bem) para apanhar alguns termos regionais que usaste?
Parabéns pelo belo texto que nos deste.
Um abraço da Porcina


De antonioduvidas a 28 de Junho de 2007 às 21:50
Obrigado por terem comentado.
Justificando as minhas raizes na ruralidade não posso esquecer que apesar de ir de chancas e os meus colegas de socos para a escola, calcava a bosta nos caminhos!...
(antonio)


Comentar artigo

Este blog é dos autores que já aderiram, a saber:
Pesquisar neste blog
 
Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25

26
27
28
29


Artigos recentes

Passeios pelo Porto

1.º dia mundial da rádio

Quo vadis Portugal?

Guimarães, capital europe...

Pelo Jornal de Notícias

Quo vadis Portugal?

41.º encontro do curso

Finanças

Portugal, aos poucos, vai...

Cimeira

Passeio JN/FNAC de 27 de ...

Homenagem ao fado

Lançamento de livro

São Martinho

Entrega de prémios

Passeios pelo Porto

PPP = Parcerias Público P...

Estou revoltado.

Por favor, comentem.

Orgulho-me de ser paranhe...

Proclamação da República ...

Passeio JN/FNAC de 25 de ...

Quo vadis Portugal?

Passeios pelo Porto

Dia 24 de agosto

Violência em Londres

A cidade do Porto

O dia-a-dia

Efeméride

Dia da Amizade

Conhecer melhor a cidade ...

Conhecer melhor a cidade ...

Onde chegaste tu, Portuga...

Deprimente

Quem nos governou

Dia da mãe

Dia da Terra

Passeios pelo Porto

Tributo a Yuri Gagarin

Passeios pelo Porto

Rosa Albardeira - Baile P...

Passeios pelo Porto

Passeios pelo Porto

Dúvida

Dia do Pai

Homenagem

Passeios pelo Porto

Passeios pelo Porto

Desafio

A barragem do Tua

Arquivos

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Marcadores

1.º dia da rádio

24 de agosto

25 de abril

41.º encontro

5 de outubro

a "arma"

a escola já não é a mesma

A não perder

abril 2006

álcool

aliados

alimentação

almoço de 2005

aniversário

aniversários

antonio barreto

apelo

autores portugueses

avc

bibliotecas

boas vindas

bruxelas

capital cultura 2012

carnaval

cascatas

cidade

cinema

comboios

como participar no blog

comunicados

concurso fotografia

conhecer a cidade

consumidor

contrastes

conversas

crítica

Crítica

crónica de domingo

crónicas

cultura

debates

deprimente

desabafos

desafio

desafios e enigmas

desporto

destaques

dia da água

dia da amizade

dia da música

dia da poesia

dia do café

dia do consumidor

dia do não fumador

dia do pai

dia dos namorados

dia internacional da mulher

dia-a-dia

distinções

educação

Efeméride

efemérides

Efemérides

eleições

encontro 2007

encontro 2008

enganada

entrevistas

erros

espaço de pensamentos

estado de espírito

estou revoltado

europa

fado

feiras rurais

férias

Férias

finanças

fiscalidade

futebol

germano silva

guimaraes

lamentos

lembranças

lendo

livros

música

natal 2008

natal 2009

o porto a pé

passeios

porto

quo vadis portugal

quotidiano

república

são joão

são martinho

Subterrâneos

viagens

visitas guiadas

todas as tags

Ligações úteis
Participar

participe neste blog

mais comentados
blogs SAPO
subscrever feeds